O orçamento municipal de Ansião para 2018 ascende a 12,4 milhões de euros, com um incremento de 980.000 euros relativamente ao de 2017. O documento, aprovado na Assembleia Municipal de 29 de Dezembro com 13 votos a favor, 13 contra e uma abstenção, “dá início a um novo rumo de desenvolvimento e afirmação do concelho”, defendeu o presidente da autarquia, António José Domingues.

“O orçamento de 12.439.384 euros é ligeiramente superior ao de 2017, com um acréscimo de menos de um milhão de euros”, reflectindo uma “aposta clara no desenvolvimento económico, para a criação de emprego, fixação de pessoas e captação de investimento”, justificou o António José Domingues. Nesta área, o autarca destacou como um “eixo importantíssimo” a ampliação do Parque Empresarial do Camporês para a zona norte do IC8, uma obra no valor de cerca de 2,5 milhões de euros com um esforço municipal na ordem dos 1,4 milhões de euros, que “será lançada com toda a certeza no ano 2018”, mas para a qual “ainda há muito trabalho a fazer na aquisição de terrenos”.

“Para o desenvolvimento económico e crescimento de emprego contribuirá também a criação do Gabinete ao Empreendedor e a dinamização do Parque Empresarial do Camporês, assim como a criação de bolsas de estágios profissionais”, adiantou o autarca, salientando que estes projectos têm “uma dotação que rondará os 19.000 euros do orçamento de 2018”. “Este projecto é estruturante para que o desenvolvimento do concelho de Ansião seja visto efectivamente como um momento de oportunidade para fixação de empresas”, contribuindo para a “valorização e rentabilidade do Parque Empresarial do Camporês”, que “não está devidamente potenciado”, pois “ao contrário do que toda a gente dizia esta infra-estrutura não está lotada, estão ainda meia dúzia de lotes disponíveis”, revelou o edil.

António José Domingues destacou igualmente a “aposta na promoção do território e da marca Ansião, através da relevância dada à cultura e ao turismo”. “No âmbito do turismo, estamos a trabalhar num projecto de desenvolvimento e valorização turística do concelho de Ansião”, do qual se destaca o reforço na oferta cultural e os investimentos no arqueossítio do Carvalhal e na Serra do Anjo da Guarda. “O poço do Carvalhal é um sítio de peregrinação que pode potenciar ainda mais o eixo da romanização”, mas para isso é preciso que os terrenos passem para domínio público, defendeu. Por sua vez, “a Serra do Anjo da Guarda é também um local de excelência que devemos potenciar e nesse sentido há alguns programas a que nos vamos candidatar para avançar com este projecto”.

A inclusão e a acção social é outra prioridade, onde o executivo camarário pretende implementar “um projecto diferenciador de promoção do bem-estar social das famílias, impulsionando a melhoria da qualidade de vida”.

O orçamento para 2018 inclui também o reforço das competências e verbas atribuídas às juntas de freguesia, que na totalidade vão receber cerca de 106.500 euros, o que representa um acréscimo de 29.000 euros.

O documento demonstra uma “preocupação e aposta na Protecção Civil Municipal”, patente no aumento do subsídio ordinário para 50.000 euros e a atribuição de um subsídio extraordinário de 150.000 euros para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ansião, bem como na disponibilização orçamental de cerca de 300.000 euros para a realização de acções no espaço rural, de prevenção e defesa da floresta contra os incêndios.

Trata-se de “um orçamento equilibrado, exequível e que cumpre as regras orçamentais”, que “tem na sua base as linhas gerais que pretendem afirmar o concelho”, possibilitando “começar a transformar Ansião naquilo que são os interesses para o território”, concluiu António José Domingues.